Prefeitura de Queimados - Mais Trabalho e Novas Conquistas
Facebook   Instagram   Youtube   Flickr   Blogspot

Noticías


No Dia do Escritor, autores de Queimados celebram valorização da literatura na Baixada Fluminense

Amantes de história e poesia, Verônica Cunha (42), Nilson Henrique (45) e Perla de Castro (27) são alguns dos artistas que lutam pela difusão da cultura na região

25/07/2019 13:05

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

Historiador Nilson Henrique é autor de obra que conta
 detalhes sobre raízes da cidade /Arquivo Pessoal
Diz o ditado popular que todo ser humano deve “plantar uma árvoreter um filho e escrever um livro” para que sua vida valha realmente a pena. Autores que vêm conquistando notoriedade na cidade de Queimados, na Baixada Fluminense, Verônica Cunha (42), Nilson Henrique (45) e Perla de Castro (27) já garantiram o cumprimento da terceira meta da afirmativa e, neste 25 de julho, Dia do Escritor – data instituída pela União Brasileira de Escritores em 1960 -, têm muito que comemorar.

Graças a eventos realizados pela Prefeitura de Queimados, como saraus, festivais de arte e leitura e parcerias junto a órgãos como a Associação Brasileira do Livro (ABL) – que realiza Feiras Literárias periódicas em espaços públicos como a Praça Nossa Senhora da Conceição -, a arte literária tem sido cada vez mais difundida e valorizada na cidade. Tanto que o próximo concurso da educação municipal terá, entre as referências de sua bibliografia, um autor de raízes queimadenses.

Última edição da Feira Literária aconteceu em março deste ano
IMG Felipe Bragança

Responsável pelo título “Queimados - Imagens de uma Cidade em Construção”, obra que reúne em raras fotografias a trajetória do município desde o período colonial até a emancipação, o historiador Nilson Henrique conta que recebeu a notícia com muita alegria.

"Isso, sem dúvidas, marca a tomada de consciência da gestão pública de nossa cidade, mais especificamente daqueles que pensam a gestão da educação, sobre a importância de se valorizar a história do nosso povo como estratégia de desenvolvimento. A equipe da Secretária Municipal de Educação vem desenvolvendo diversos projetos em prol do nosso patrimônio histórico e cultural. Pois, para que uma escola cumpra o seu papel na criação da identidade de nossas crianças, é preciso que os professores conheçam minimamente a trajetória do município em que irão trabalhar”, afirmou o autor, que mora no bairro Pacaembu.

Praça N. Senhora da Conceição na década de 30
é uma das imagens raras reunidas na obra de Nilson

Apesar de não ter planejado se tornar um escritor, Nilson afirma que um forte ‘sentimento de pertencimento o impulsionou a buscar mais detalhes sobre a história da cidade onde vive desde criança e o ajudou a vencer as dificuldades do mercado editorial brasileiro para publicar sua pesquisa em forma de imagens.

“Ser professor, pesquisador ou escritor no Brasil é, sem dúvidas, um ato de coragem, persistência, e, antes de tudo, comprometimento com aquilo que abraçou. Nunca imaginei que fosse escrever um livro ou me tornar um historiador da minha cidade. Mas, o sentimento de pertencimento, essa coisa que nos dá um lugar no mundo, sempre esteve ali, presente dentro de mim. É esse sentimento que me inspira, que me motiva e me impulsiona a seguir em frente.O interessante é que à medida que eu vou dando seguimento às pesquisas e ampliando meus conhecimentos sobre a nossa história, minhas raízes vão se tornando cada vez mais profundas. Afinal, amamos aquilo que conhecemos, não é verdade? (risos)”, declarou o escritor.

Defensoras da poesia

Verônica Cunha foi 'descoberta' por uma professora/Arquivo pessoal

Outra queimadense que escolheu trilhar o caminho da palavra escrita como forma de expressar o que sente é Verônica Cunha (42). Autora do livro de poesias 'Coração em Palavras', publicado em março deste ano, a moradora do bairro Belmonte e educadora da rede municipal de ensino conta que a paixão pelos livros surgiu ainda na infância, graças a uma de suas professoras.

“Sempre escrevi despretensiosamente. Eu estava na antiga 4ª Série (atual  ano) e lembro que uma professora me ‘descobriu’ e disse ‘você escreve muito bem, deveria apostar nisso’. Eu era muito introvertida e isso me ajudou a expressar minhas alegrias, tristezas, minhas buscas por respostas. Fui criando então minha trajetória no mundo acadêmico durante a graduação e o mestrado, mas me encontrei mesmo no mundo literário”, conta a escritora, que já tem mais uma obra saindo do forno: 'Pirulito: Crônica para Professores e Admiradores', com previsão de lançamento para 3 de setembro.

Para Verônica, que também é pedagoga, a arte literária é, também, uma ferramenta na busca pela justiça social. “É compreender o mundo. Para quem precisa comer, vestir, sobreviver, ler é um luxo. Precisamos entender que ler é para todos, pois se não há quem lê, não há motivo para escrever”, conclui a escritora.

Dona de sua própria editora, Perla de Castro (27) também foi influenciada por uma docente. Sua mãe era professora e, de tanto ler histórias para a filha, a inspirou a escrevê-las. A jovem planeja sua quarta publicação: além de ‘Estesia’, ‘Breu’ e ‘A vampirinha escritora’, vem aí ‘Pelas ruas que andei’.

Perla de Castro tem sua própria editora e também é radialista /
Arquivo pessoal

“Comecei a escrever aos 11 anos graças às leituras que minha mãe fazia para mim. Tenho algumas publicações, mas meu carinho maior é pelo próximo livro, que espero lançar ainda este ano. São poesias, contos, crônicas e ensaios que levarão o leitor pela magia das surpresas que a vida nos prega. Espero conseguir traduzir em palavras todos os sentimentos, conflitos e alegrias que tenho vivido e que jamais imaginei que viveria”, afirma a moradora do bairro Ponte Preta, que já recebeu honrarias como o Prêmio Literário Melhores do ano 2018 e 2019 da Associação Internacional de Escritores.

Ciente das adversidades que um escritor de primeira viagem pode encontrar, Perla faz questão de deixar um recado de incentivo aos que sonham em ver suas histórias em páginas de livros. "É um caminho difícil,porém não é impossível publicar/escrever livros, uma vez que hoje temos uma gama de possibilidades que só dependem de nós. As plataformas gratuitas de publicação digital são exemplos disso. Elas possibilitam ao escritor ser independente, produzir desde a escrita e edição até o lançamento em meio digital ou modo físico. É só criar coragem para tirar os escritos da gaveta e ser mais forte que a vontade de desistir do caminho. Não adianta esperar o país mudar, devemos nós provocar as mudanças que queremos ver" concluiu a autora.

Últimas Notícias

keyboard_arrow_left
    

Última etapa da competição acontece neste fim de semana no Sesc de São João Meriti. Entrada é franca

Parceria com o Iterj legalizará a posse de moradores que vivem em ocupações irregulares no município

Distribuição de mudas nativas da Mata Atlântica, ecopiquinique, plantio e passeio pelo Parque Laje são algumas das programações

Evento reuniu representantes de diversos municípios para discutir ações em prol da Bacia do Rio Guandu

Cerimônia aconteceu nesta segunda-feira (16) na Câmara de Vereadores e contou com a presença do Prefeito Carlos Vilela. Gestão é referente ao biênio 2019-2021

Iniciativa abordou técnicas de escovação bucal, utilização do fio dental e cuidados com próteses dentárias

Cerca de 70 profissionais de saúde e educação participaram do evento, realizado nesta segunda (16) no auditório da SEMUS 

Encontro acontecerá na próxima segunda (16), no auditório do Centro de Esporte e Lazer da Terceira Idade

    
keyboard_arrow_right
Facebook     Twitter     Youtube     Flickr     Blogspot